contador de visitas

free web counter

sexta-feira, agosto 22, 2014

BRASILEIRÃO - 16ªRODADA

.
O CRUZEIRO VENCEU O GRÉMIO DE
SCOLLARI POR 1-0 E MANTÉM A
SUA LIDERANÇA,

São Paulo quebra série do Inter e entra no G-4 do Brasileiro
Corinthians faz 5 em Itaquera e aumenta jejum do Goiás


20/08/2014 19:30 (Qua) Figueirense 1 x 0 Botafogo-RJ
20/08/2014 19:30 (Qua) Sport 2 x 1 Palmeiras
20/08/2014 19:30 (Qua) Santos 2 x 0 Atlético-PR
20/08/2014 21:00 (Qua) Coritiba 2 x 0 Vitória-BA
20/08/2014 21:00 (Qua) Bahia 0 x 0 Criciúma
20/08/2014 22:00 (Qua) Chapecoense 1 x 0 Fluminense
20/08/2014 22:00 (Qua) Flamengo 2 x 1 Atlético-MG
20/08/2014 22:00 (Qua) Internacional-RS 0 x 1 São Paulo
21/08/2014 19:30 (Qui) Corinthians 5 x 2 Goiás
21/08/2014 20:30 (Qui) Cruzeiro 1 x 0 Grêmio

CRUZEIRO-GRÉMIO 1-0



Quando tudo parecia encaminhar-se para um empate sem gols no Mineirão, o Cruzeiro conseguiu marcar no fim e superou o Grêmio, por 1 a 0, nesta quinta-feira, em partida válida pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. O sistema defensivo montado por Luiz Felipe Scolari funcionou até os 41min do segundo tempo, quando Dagoberto acertou uma bela cabeçada e fez a festa dos torcedores que compareceram ao estádio.

Com a vitória, o Cruzeiro chega aos 36 pontos e abre cinco de vantagem para o vice-líder Inter, que perdeu para o São Paulo, na ponta da tabela. Já o Grêmio estaciona na 10ª posição, com 22 pontos ganhos.

A partida também marcou o retorno de Felipão ao Mineirão. Foi em Belo Horizonte que a Seleção Brasileira sofreu o maior vexame da sua história, ao ser eliminada da Copa do Mundo, pela Alemanha, pelo placar de 7 a 1. Diferente daquela partida, a equipe do técnico gaúcho dessa vez teve um bom desempenho e só não conseguiu sair com um resultado melhor devido a boa atuação do goleiro cruzeirense.

Na próxima rodada, o Grêmio recebe o Corinthians, domingo (24), às 16h, na Arena em Porto Alegre. Já o Cruzeiro visita o Goiás, no mesmo dia, mas às 18h30, no Serra Dourada.

Cruzeiro e Grêmio fizeram um primeiro tempo movimentado, com duas chances de gol para cada lado. Os mineiros criaram as primeiras chances, mas nada que assustasse a zaga gaúcha. .

O Grêmio foi mais perigoso e por pouco não saiu com uma boa vantagem da etapa inicial.

Apostando nos contra-ataques, a equipe comandada por Felipão se fechou e viu o Cruzeiro pressionar durante quase todo o segundo tempo.

Dagoberta acerta cabeçada certeira e garante vitória cruzeirense


Já o Grêmio apostava na velocidade e chegava aos poucos. Aos 27min, Fernandinho arrancou pela direita e arriscou de fora da área, mandando a bola por cima do gol defendido por Fábio. Aos 32min veio a chance mais perigosa dos gaúchos. Luan arrancou em contra-ataque e passou por três cruzeirenses antes de bater na saída de Fábio. O goleiro, em ótima noite, salvou com os pés e mandou a bola pela linha de fundo.

Já no final da partida, aos 41min, quando a partida se encaminhava para um empate sem gols, a estrela de Dagoberto, colocado no jogo por Marcelo Oliveira no segundo tempo, brilhou. Dedé partiu para o ataque e fez o cruzamento da direita. Pará falhou na marcação, Dagoberto, livre, marcou de cabeça e decretou a vitória cruzeirense.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 X 0 GRÊMIO

GOL: CRUZEIRO: Dagoberto, aos 41 minutos do segundo tempo
CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva (Nilton), Ricardo Goulart e Everton Ribeiro; Willian (Alisson) e Júlio Baptista (Dagoberto)
Técnico: Marcelo Oliveira

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Zé Roberto; Fellipe Bastos (Alan Ruiz), Ramiro, Riveros (Edinho), Luan e Dudu; Ronan (Fernandinho)
Técnico: Luiz Felipe Scolari


CLASSIFICAÇÃO GERAL

1 Cruzeiro 36 16 11 3 2 33 13
2 Internacional 31 16 9 4 3 22 12
3 Corinthians 31 16 8 7 1 22 9
4 São Paulo 29 16 8 5 3 26 18
5 Fluminense 26 16 8 2 6 23 15
6 Sport 25 16 7 4 5 14 17
7 Santos 23 16 6 5 5 17 11
8 Atlético Mineiro 23 16 6 5 5 22 19
9 Atlético Paranaense 23 16 6 5 5 23 22
10Grêmio 22 16 6 4 6 13 13 0
11 Goiás 20 16 5 5 6 11 17
12 Chapecoense 19 16 5 4 7 11 15
13 Flamengo 19 16 5 4 7 12 21
14 Figueirense 17 16 5 2 9 12 22
15 Criciúma 17 16 4 5 7 9 21
16 Botafogo 16 16 4 4 8 17 18
17 Coritiba 15 16 3 6 7 14 17
18 Bahia 15 16 3 6 7 11 16
19 Vitória 15 16 3 6 7 15 21
20 Palmeiras 14 16 4 2 10 13 23


quarta-feira, agosto 20, 2014

bandas brasileiras - NATIRUTS

...
ESTA BANDA BRASILEIRA
ACTUOU ONTEM EM CASCAIS
COM ENORME ÊXITO




Natiruts é uma banda brasileira de reggae formada em Brasília em 1996. Chamada inicialmente Nativus, a banda de reggae foi rebatizada de Natiruts devido a um grupo catarinense de música regional, Os Nativos, que entrou com um processo. A banda brasíliense defende o reggae de raiz mas incorporou ao som uma grande influência brasileira. Quando ainda chamava-se Nativus, o grupo vendeu 40 mil discos independentes com o sucesso "Presente de um beija-flor", até ser contratada pela EMI. A nova edição do disco, Nativus, vendeu 450 mil cópias. O segundo disco, Povo Brasileiro, foi produzido por Liminha e, como o reggae de Bob Marley, tem músicas com mensagens de alto teor político, como "Proteja-se e lute" e "Povo brasileiro".

Sem muitas novidades na sonoridade da banda, em 2001, é lançado “Verbalize”, com destaque para as faixas “Verbalize" e "Andei Só”, hits da época. O terceiro álbum traz também a participação especial de Rodolfo Abrantes, antigo vocalista dos Raimundos, na faixa "Homem do Povo". Em 2002, gravam o disco Qu4tro , que marca a saída do guitarrista Kiko Peres da banda. Natiruts ressurge com Nossa Missão, lançado em 2005. Neste disco, produzido pelo próprio Alexandre Carlo, vocalista e principal compositor do grupo, o grande diferencial é a aproximação com o Dub, a vertente mais psicodélica do reggae, que incorpora experimentações, sem contenção na adição de efeitos, como Delays e Reverbs, surgida na Jamaica dos anos 70.



História

Início

Surgida no ano de 1996 em Brasília por Alexandre Carlo, que na época, estudante universitário, tinha a música como válvula de escape das suas alegrias e desilusões com a realidade brasileira. Sem pretensões maiores, visto que já estava encaminhado na profissão de analista de sistemas, compunha canções no estilo que mais se sentia à vontade: o reggae. Numa das cervejadas do time de futebol da UnB conheceu Waldivino Pires de Moraes Jr, mais conhecido como Juninho. Por volta de agosto de 1994 na casa do amigo Juninho, Alexandre apresentaria, pela primeira vez, sua mais nova composição - Surfista do Lago Paranoá.1 . Foi então que Alexandre convidou Luis Mauricio e Bruno Dourado, companheiros de time de futebol na UnB, para assumirem o baixo e a percussão. A primeira apresentação da banda, que então se chamava Nativus, aconteceu no dia 29 de março de 1996, na casa de um amigo de infância de Luís Mauricio e Bruno Dourado. Neste mesmo dia, André Carneiro foi convidado para ser o guitarrista solo. Dias depois, foi a vez de Izabella Rocha entrar para equipe, assumindo o posto de backing vocal. Depois de muitos ensaios e alguns shows, Carneiro resolveu deixar o grupo, dando lugar a Kiko Peres.2 Fizeram alguns ensaios com essa formação.

A princípio, era uma banda de reggae comum de quatro componentes, no entanto a influência da música brasileira era forte nas melodias e harmonias das músicas e a necessidade de se fazer um reggae roots brasileiro era definitiva. Por isso fez-se necessária a inclusão de mais elementos musicais na banda. A partir daí a banda criaria identidade própria. O próximo passo, era gravar uma demo, que foi gravada ainda na época das fitas cassetes. A reprodução era caseira, nos velhos três em um duplo deck. O grupo escolheu o nome Nativus como ideal para a nova banda. A aceitação foi boa por parte das críticas. Alguns shows aconteceram e logo concretizou-se a possibilidade de se gravar um CD, intitulado Nativus. Kiko Peres tinha um amigo da cena musical brasiliense que estava radicado no Rio de Janeiro havia algum tempo. Esse amigo estava trabalhando num grande estúdio carioca e talvez conseguisse um esquema de pagamento por partes da tal gravação. Esse amigo era Tom Capone que acabou participando de uma faixa e posteriormente produziria dois discos da banda, o Verbalize e o Qu4tro que contou com Tonho Gebara na guitarra solo.

A banda teve que alterar o nome para Natiruts por volta de 1999 devido a um grupo gaúcho de música regional de nome similar, Os Nativos, que entrou com um processo contra os brasilienses. A banda defende o reggae de raiz mas incorporou ao som uma grande influência brasileira. Quando ainda chamava-se Nativus, o grupo vendeu 40 mil discos independentes com o sucesso "Presente de um beija-flor", até ser contratada pela EMI. A nova edição do disco, Nativus, vendeu 450 mil cópias

segunda-feira, agosto 18, 2014

BRASILEIRÃO 15ª.RODADA

.
O CRUZEIRO VOLTOU ÀS VITÓRIAS
E MANTÊM A LIDERANÇA..INTER PA
QUE TAMBEM VENCEU RESISTE




16/08/2014 18:30 (Saba) Goiás 0 x 1 Internacional-RS
16/08/2014 21:00 (Saba) Corinthians 1 x 1 Bahia
17/08/2014 16:00 (Dom) Palmeiras 1 x 2 São Paulo Pacaembu
17/08/2014 16:00 (Dom) Grêmio 2 x 0 Criciúma
17/08/2014 16:00 (Dom) Cruzeiro 3 x 0 Santos
17/08/2014 16:00 (Dom) Vitória-BA 0 x 0 Chapecoense
17/08/2014 16:00 (Dom) Coritiba 0 x 1 Flamengo
17/08/2014 18:30 (Dom) Figueirense 2 x 2 Atlético-MG
17/08/2014 18:30 (Dom) Botafogo-RJ 2 x 0 Fluminense
17/08/2014 18:30 (Dom) Sport 1 x 1 Atlético-PR

CRUZEIRO-SANTOS 3-0



CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRÃO 2014 SÉRIE A

.....................P.J..V..E.D.GM.GS.DIF
1° Cruzeiro ........33 15 10 3 2 32 13 19
2° Internacional-RS 31 15 9 4 2 22 11 11
3° Corinthians..... 28 15 7 7 1 17 7 10
4° Fluminense...... 26 15 8 2 5 23 14 9
5° São Paulo....... 26 15 7 5 3 25 18 7
6° Atlético-MG .....23 15 6 5 4 21 17 4
7° Atlético-PR .....23 15 6 5 4 23 20 3
8° Grêmio ..........22 15 6 4 5 13 12 1
9° Sport........... 22 15 6 4 5 12 16 -4
10° Santos .........20 15 5 5 5 15 11 4
11° Goiás.......... 20 15 5 5 5 9 12 -3
12° Botafogo-RJ ....16 15 4 4 7 17 17 0
13° Chapecoense ....16 15 4 4 7 10 15 -5
14° Flamengo .......16 15 4 4 7 10 20 -10
15° Criciúma .......16 15 4 4 7 9 21 -12
16° Vitória-BA .....15 15 3 6 6 15 19 -4
17° Palmeiras ......14 15 4 2 9 12 21 -9
18° Figueirense.... 14 15 4 2 9 11 22 -11
19° Bahia.......... 14 15 3 5 7 11 16 -5
20° Coritiba .......12 15 2 6 7 12 17 -5

O PALMEIRAS ,QUE COMEÇOU COMO "PALESTRA ITÁLIA....

.

....Palestra Itália nasceu para congregar imigrantes de São Paulo em 1914


Um dos últimos países da Europa a se unificar, a Itália o fez em 1861. No final do século XIX, milhares de famílias imigraram para o Brasil. O Palestra Itália, criado no dia 26 de agosto de 1914, surgiu para congregar os integrantes da numerosa colônia em São Paulo.

Luigi Cervo foi o mentor da nova agremiação. Fã de futebol, ele era sócio do extinto Sport Club Internacional-SP e também participava da Sociedade Dramática e Recreativa Bella Estrella, da qual saiu ao lado de alguns companheiros após um incidente disposto a iniciar uma nova instituição.

A recente passagem do Torino por São Paulo foi inspiradora para Cervo. “Aquela visitou firmou, em mim e nos meus companheiros da sociedade Bella Estrella, a ideia de fundar uma sociedade esportiva da colônia italiana. Nossos propósitos entusiasmaram numerosos moços, filhos de nossos italianos, que já militavam nas equipes de futebol”, disse o imigrante em discurso proferido durante os festejos pelos 25 anos do Palestra Itália, em 1939.

Cervo era funcionário das Indústrias Matarazzo e disseminou a ideia entre os conhecidos. Na tentativa de ampliar a divulgação do projeto, ele visitou a sede do Fanfulla, jornal voltado à numerosa colônia italiana em São Paulo. Dias depois, o então estudante Vicente Ragognetti escreveu uma carta a ser publicada pelo periódico.

“Nós temos em São Paulo o clube de futebol dos alemães, dos ingleses, dos portugueses, dos estrangeiros e por fim dos católicos e protestantes. Mas um clube que seja composto somente de esportistas italianos, apesar de nossa colônia ser grande, não existe e nem sequer foi tentado”, diz a carta inicial, datada do dia 13 de agosto.

Atraídos por um novo comunicado publicado pelo Fanfulla, veículo que segue vivo por meio de seu site na Internet, cerca de 46 pessoas, a maioria funcionárias das Indústrias Matarazzo, se reuniram no Salão Alhambra, na antiga Rua Marechal Deodoro, para efetivamente fundar o novo clube no dia 26 de agosto de 1914.

Na época, o futebol ainda dava seus primeiros passos no Brasil – Charles Miller introduzira o esporte na capital paulista em 1894. Para formar uma entidade dedicada à modalidade, os idealizadores do novo clube precisaram defender o projeto de maneira incisiva nas primeiras reuniões.

terça-feira, agosto 12, 2014

BRASILEIRÃO

..
FOI UMA RODADA QUE LEVOU O INTER
DE PORTO ALEGRA A VENCER O DERBY
NA ESTREIA DE SCOLLARI ,E A APR-
XIMAR-SE DO CRUZEIRO, E A NOVA
FUGA À LANTAERNA DO FLAMENGO QUE
CONSEGUIU VENCER O SPORT POR 1-0.






09/08/2014 18:30 (Saba) Bahia 1 x 0 Goiás
09/08/2014 18:30 (Saba) Criciúma 0 x 0 Cruzeiro
09/08/2014 21:00 (Saba) Fluminense 1 x 1 Coritiba
10/08/2014 16:00 (Dom) Atlético-PR 2 x 0 Botafogo-RJ
10/08/2014 16:00 (Dom) Santos 0 x 1 Corinthians
10/08/2014 16:00 (Dom) Internacional-RS 2 x 0 GrêmiO
10/08/2014 16:00 (Dom) Flamengo 1 x 0 Sport
10/08/2014 18:30 (Dom) Chapecoense 0 x 1 Figueirense
10/08/2014 18:30 (Dom) Atlético-MG 2 x 1 Palmeiras
10/08/2014 18:30 (Dom) São Paulo 3 x 1 Vitória-BA


CLASSIFICAÇÃO GERAL

1° Cruzeiro 30 14 9 3 2 29 13 16
2° Internacional-RS 28 14 8 4 2 21 11 10
3° Corinthians 27 14 7 6 1 16 6 10
4° Fluminense 26 14 8 2 4 23 12 11
5° São Paulo 23 14 6 5 3 23 17 6
6° Atlético-MG 22 14 6 4 4 19 15 4
7° Atlético-PR 22 14 6 4 4 22 19 3
8° Sport 21 14 6 3 5 11 15 -4
9° Santos 20 14 5 5 4 15 8 7
10° Goiás 20 14 5 5 4 9 11 -2
11° Grêmio 19 14 5 4 5 11 12 -1
12° Criciúma 16 14 4 4 6 9 19 -10
13° Chapecoense 15 14 4 3 7 10 15 -5
14° Palmeiras 14 14 4 2 8 11 19 -8
15° Vitória-BA 14 14 3 5 6 15 19 -4
16° Figueirense 13 14 4 1 9 9 20 -11
17° Botafogo-RJ 13 14 3 4 7 15 17 -2
18° Bahia 13 14 3 4 7 10 15 -5
19° Flamengo 13 14 3 4 7 9 20 -11
20° Coritiba 12 14 2 6 6 12 16 -4



-

ALENTEJO ELEITO O MELHOR DESTINO DE ENOTURISMO DO MUNDO

.
O BLOG LUSO CARIOCA RECOMENDA
UMA SALTADA AO ALENTEJO A
QUEM GOSTA DE VINHO, BELEZA
E TRANQUILIDADE


ALENTEJO -ELEITA A MELHOR REGIÃO DE ENOTURISMO DO MUNDO

Portugal volta a somar pontos numa votação decorrida no site de viagens do jornal "USA Today"

Era a única região de vinhos portuguesa seleccionada para ir a votos. E concorreu com 20 candidatos (nomeados por um júri), boa parte deles muito mais célebres mundialmente. Mas nem Champanhe, em França, La Rioja, em Espanha, Mendoza, na Argentina, Piemonte, na Itália, ou Napa Valley, na Califórnia, conseguiram atrair tantos votos quanto o Alentejo: a vitória foi confirmada esta quarta-feira e a região já pode usar o título de "melhor região de vinhos do mundo a visitar", segundo os utilizadores do portal 10best do grupo do gigante americano "USA Today".


A votação decorreu nas últimas semanas, tendo terminado a 4 de Agosto, e já se antecipava a vitória alentejana, visto que a região foi dominando, com larga vantagem, esta eleição para "Best Wine Region to Visit".

É a segunda grande vitória portuguesa nestes populares tops 10 organizados pelo site 10Best.com. Ainda este ano, Portugal conseguiu outro feito de popularidade, sendo eleito como o melhor país da Europa. Sublinhe-se que, além do destaque no site 10best, os tops são também promovidos online e em papel na secção de viagens do “USA Today”.

Na apresentação da candidatura do Alentejo como destino de enoturismo a ter debaixo de olho, explicava-se o porquê da escolha desta única região portuguesa: "Quando se pensa em Portugal, a maior parte das pessoas pensa imediatamente no Douro", escrevia Kerry Woolard, colaboradora especializada em vinhos e co-responsável pela escolha das nomeações juntamente com Frank Pulice. "Mas rume a sul para o Alentejo e não ficará desapontado. Adegas boutique, hotéis de serviço completo, excelentes restaurantes e, claro, vinhos formidáveis", opinava a especialista. O Alentejo é "uma grande experiência enoturística", concluia.

No site, o "vasto Alentejo" é ainda apresentado como estando "ainda fora do radar de muitos viajantes". Uma "intrigante região rural" que pode ser como "uma viagem no tempo", conhecida pelos "robustos vinhos tintos" e onde a gastronomia é "rústica e autêntica".

"Não encontrará uma costa cheia de hotéis", avisam. "Em vez disso, as praias do Alentejo, encontam-se entre as mais cénicas e belas da Europa" e os visitantes devem "procurar alojamento em unidades turísticas independentes"

O top 5 final da eleição completa-se com Okanagan Valley na Colúmbia Britânica - Canadá (2), Maipo no Chile (3), Marlborough na Nova Zelândia (4) e Croácia (5).

quinta-feira, agosto 07, 2014

PORTUGAL PREMIADO COM OSCARES DE TURISMO

.
PORTUGAL MAIS UMA VEZ LARGAMENTE
PREMIADO PELO TUSRISMO INTERNACIO-
NAL E A TAP COM MAIS 2 IMPORTANTES
PRÉMIOS

Portugal arrasa nos 'óscares' do turismo europeu

O país quase duplica o número de galardões conquistados e passa de nove a 16.


A gala europeia dos maiores prémios da indústria turística decorreu este sábado em Atenas, na Grécia, com Portugal a atingir o seu Olimpo no que concerne a galardões. Depois de em 2013 somar nove World Travel Awards Europa - de líder no Golfe ao Algarve como melhor destino de praias e a Madeira como melhor destino insular ou Lisboa como melhor destino para escapadelas -, desta feita o país, que chegou à cerimónia com mais de 40 nomeações, bateu o recorde de "óscares"conquistados: 16, a que se juntam ainda duas distinções na divisão do Mediterrâneo e dez exclusivamente nacionais.

A chuva de prémios caiu sobre Lisboa, vencedora nas categorias de porto e destino de cruzeiros. Chegou à Madeira, que repete a distinção de melhores ilhas para férias. Congratulou a TAP com duas vitórias, como melhor companhia nas ligações para África e América do Sul. Elevou a Douro Azul, declarada melhor companhia de cruzeiros fluviais. E chegou ao Turismo de Portugal, o melhor organismo oficial de Turismo na Europa.

Os restantes prémios para Portugal cabem a grandes insígnias da hotelaria nacional, na maioria no Algarve e Madeira: entre outros, o Conrad (melhor resort de luxo), Bairro Alto Hotel (hotel em património histórico), Choupana Hills (boutique resort), Vila Joya (boutique hotel), The Vine (design hotel), Pestana Porto Santo (resort tudo-incluído), Pine Cliffs (hotel residences) ou Martinhal (villa resort). O país passa até a ostentar o "resort mais romântico da Europa", um prémio dado ao Vila Vita Parc.

Nos restantes World Travel Awards a nível continental, que são votados online ao longo do ano tanto por profissionais (mais de 180 mil segundo a organização) como pelo público geral (com o voto de cada profissional a valer por dois), destacam-se vitórias da Lufthansa (melhor companhia aérea) e easyJet (melhor low cost) ou Zurique (melhor aeroporto).

Já Corfu, na Grécia, venceu como melhor destino de praias (batendo o Algarve), Genebra, na Suíça, é o melhor destino de escapadelas urbanas e Yorkshire, na Inglaterra, é o melhor destino global europeu (ambos bateram Lisboa). Na hotelaria, entre dezenas de distinções, destacam-se o Ciragan Palace Kempinski Instambul (Turquia), o melhor hotel do continente, e o Belmond Hotel Cipriani (Itália), o melhor hotel de luxo. Prémios especiais ainda para a Grécia (Acrópole, melhor atracção turística) e para a França (Disneyland Paris, melhor parque temático). A Expedia conquistou o galardão para melhor agência de viagens.

Para Portugal vieram ainda mais "óscares", mas em categorias sub-regionais: a influência da proximidade deu vitórias na divisão do Mediterrâneo à Quinta da Casa Branca (boutique hotel) e ao Penha Longa (spa resort). A cerimónia inclui ainda prémios para os melhores de cada país representado e, nesta área, houve dez distinções, do Terra Nostra Garden Hotel ao Sheraton Algarve, da Pousada de Cascais ao Hotel Quinta do Lago ou Vilalara.

Os WTA, atribuídos há duas décadas, dividem-se por dez grandes regiões. Depois da Europa, seguem-se outras cerimónias, culminando a ronda com a grande gala final, marcada para Novembro em Marraquexe, onde serão atribuídos os prémios para os melhores do mundo - na última edição, saíram cinco "óscares" para Portugal.

segunda-feira, agosto 04, 2014

BRASILEIRÃO - 13ª.RODADA

.
O FLAMENGO VOLTOU A PERDER DESTA
VEZ EM CHAPECÓ, E REGRESSA À
LANTERNONA



BRASILEIRÃO - 13ª.RODADA
02/08/2014 18:30 (Saba) São Paulo 1 x 1 Criciúma
02/08/2014 18:30 (Saba) Botafogo-RJ 1 x 1 Cruzeiro
02/08/2014 21:00 (Saba) Vitória-BA 2 x 1 Grêmio
03/08/2014 16:00 (Dom) Figueirense 3 x 0 Sport
03/08/2014 16:00 (Dom) Palmeiras 1 x 1 Bahia
03/08/2014 16:00 (Dom) Coritiba 0 x 0 Corinthians
03/08/2014 16:00 (Dom) Chapecoense 1 x 0 Flamengo
03/08/2014 18:30 (Dom) Atlético-MG 3 x 1 Atlético-PR
03/08/2014 18:30 (Dom) Internacional-RS 1 x 0 Santos
03/08/2014 18:30 (Dom) Fluminense 2 x 0 Goiás

CHAPECOENSE-FLAMENGO 1-0

HISTÓROCO , o time de Chapecó venceu o gigante do futebol brasileiro (ainda que agora em mode "lanterna".




CLASSIFICAÇÃO GERAL

1° Cruzeiro 29 13 9 2 2 29 13 16
2° Fluminense 25 13 8 1 4 22 11 11
3° Internacional-RS 25 13 7 4 2 19 11 8
4° Corinthians 24 13 6 6 1 15 6 9
5° Sport 21 13 6 3 4 11 14 -3
6° Santos 20 13 5 5 3 15 7 8
7° São Paulo 20 13 5 5 3 20 16 4
8° Goiás 20 13 5 5 3 9 10 -1
9° Atlético-PR 19 13 5 4 4 20 19 1
10° Grêmio 19 13 5 4 4 11 10 1
11° Atlético-MG 18 12 5 3 4 16 13 3
12° Chapecoense 14 12 4 2 6 9 13 -4
13° Palmeiras 14 13 4 2 7 10 17 -7
14° Vitória-BA 14 13 3 5 5 14 16 -2
15° Botafogo-RJ 13 13 3 4 6 15 15 0
16° Criciúma 12 13 4 3 6 9 19 -10
17° Coritiba 11 13 2 5 6 11 15 -4
18° Figueirense 10 13 3 1 9 8 20 -12
19° Bahia 10 13 2 4 7 9 15 -6
20° Flamengo 10 13 2 4 7 8


FILMES DA HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO -"O BANDIDO DA LUZ VERMELHA"

,
MAIS UMA FILME DA HISTÓRIA
DO CINEMA BRASILEIRO



O Bandido da Luz Vermelha é um filme brasileiro de 1968, do gênero policial, dirigido por Rogério Sganzerla. Inspirado nos crimes do famoso assaltante João Acácio Pereira da Costa, apelidado de "Bandido da Luz Vermelha".

Este filme é considerado um clássico do cinema marginal.1 Sganzerla tinha 22 anos quando o dirigiu.

Uma continuação dirigida por Ícaro Martins e Helena Ignez, viúva de Sganzerla, foi lançada em 2010 sob o título de Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha.1

Sinopse

Jorgevaldo, um assaltante de residências de São Paulo, apelidado pela imprensa de "Bandido da Luz Vermelha", desconcerta a polícia ao utilizar técnicas peculiares de ação. Sempre auxiliado por uma lanterna vermelha, ele possui as vítimas, tem longos diálogos com elas e protagoniza fugas ousadas para depois gastar o fruto do roubo de maneira extravagante.Se relaciona com Janete Jane, conhece outros assaltantes, um político corrupto e acaba sendo traído. Perseguido e encurralado, encontra somente uma saída para sua carreira de crimes: o suicídio.

Elenco[editar código-fonte]
Paulo Villaça.... Jorge, o bandido da luz vermelha
Helena Ignez.... Janete Jane
Sérgio Hingst.... milionário
Luiz Linhares.... delegado Cabeção
Sônia Braga.... vítima
Ítala Nandi
Hélio Aguiar.... narrador
Mara Duval.... narradora
Pagano Sobrinho.... J.B. da Silva
Roberto Luna.... Lucho Gatica
Sérgio Mamberti.... passageiro do táxi
Carlos Reichenbach.... homem que sai do cinema com a camera fotografica na mão
Renato Consorte.... apresentador de televisão
Maurice Capovilla.... gângster
Neville de Almeida
Miriam Mehler.... vítima
Lola Brah

O roteiro

O roteiro, de autoria do próprio diretor, é livremente baseado na história de João Acácio Pereira da Costa, bandido catarinense que, em 1967, atormentou a polícia paulista.

O roteiro denota uma familiaridade muito grande com a história contada, com a narração à maneira dos programas policiais de rádio. Ele é bastante minucioso ao mostrar os "anos de aprendizagem" do Luz, na apresentação do delegado Cabeção e nas exatas palavras do casal de locutores que comentam os acontecimentos da cidade em que é transformada São Paulo no filme.

sábado, agosto 02, 2014

O BRASIL NA 1ª.GUERRA MUNDIAL

.
O BRASIL FOI O UNICO PAÍS
LATINO-AMERICANO A ENTRAR
NA 1ª.GUERRA MUNDIAL.


O Brasil na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) tinha uma posição respaldada pela Convenção de Haia, mantendo-se inicialmente neutro, buscando não restringir os seus produtos exportados na época, principalmente o café. O Brasil foi o único país latino-americano que participou da Primeira Guerra Mundial.


O Brasil declarou a sua neutralidade em 4 de agosto de 1914.1 Desta forma, somente um navio brasileiro, o Rio Branco, foi afundado por um submarino alemão nos primeiros anos da guerra em 3 de maio de 1916, mas este estava em águas restritas, operando a serviço inglês e com a maior parte de sua tripulação sendo composta por noruegueses, de forma que, apesar da comoção nacional que o fato gerou, não poderia ser considerado como um ataque ilegal dos alemães.

No início da guerra, apesar de neutro, o Brasil enfrentava uma situação social e econômica complicada. A sua economia era basicamente fundamentada na exportação de apenas um produto agrícola, o café. Como este não era essencial, suas exportações (e as rendas alfandegárias, a principal fonte de recursos do governo) diminuíram com o conflito. Isto se acentuou mais com o bloqueio alemão e, depois, com a proibição à importação de café feita pela Inglaterra em 1917, que passou a considerar o espaço de carga nos navios necessário para produtos mais vitais, haja vista as grandes perdas causadas pelos afundamentos de navios mercantes pelos alemães.

As relações entre Brasil e o Império Alemão foram abaladas pela decisão alemã de autorizar seus submarinos a afundar qualquer navio que entrasse nas zonas de bloqueio. No dia 5 de abril de 1917 o vapor brasileiro Paraná, um dos maiores navios da marinha mercante (4.466 toneladas), carregado de café, navegando de acordo com as exigências feitas a países neutros, foi atacado por um submarino alemão a milhas do cabo Barfleur, na França, e três brasileiros foram mortos.

Manifestações populares

Quando a notícia do afundamento do vapor Paraná chegou ao Brasil poucos dias depois, eclodiram diversas manifestações populares nas capitais. O ministro de relações exteriores, Lauro Müller, de origem alemã e favorável à neutralidade na guerra, foi obrigado a renunciar. Em Porto Alegre, passeatas foram organizadas com milhares de pessoas. Inicialmente pacíficas, as manifestações passaram a atacar estabelecimentos comerciais de propriedades de alemães ou descendentes - o Hotel Schmidt , a Sociedade Germânia, o clube Turnebund e o jornal Deutsche Zeitung foram invadidos, pilhados e queimados.2

Em 1 de novembro uma multidão danificou casas, clubes e fábricas em Petrópolis, entre eles o restaurante Brahma (completamente destruído), a Gesellschaft Germania, a escola alemã, a empresa Arp, o Diário Alemão, entre outros3 .

Ao mesmo tempo, em outras capitais houve pequenos distúrbios. Novos episódios com violência só ocorreriam quando da declaração de guerra do Brasil à Alemanha em outubro.

Por outro lado, sindicalistas, pacifistas, anarquistas e comunistas se colocavam contra a guerra e acusavam o governo de estar desviando a atenção dos problemas internos, entrando em choque por vezes com os grupos nacionalistas favoraveís a entrada do país no conflito. À greve geral de 1917, seguiu-se acentuada de uma violenta repressão, usando a "Declaração de Guerra" em outubro do mesmo ano para declarar estado de sítio e perseguir opositores.

Consequências diplomáticas

No dia 11 de abril de 1917 o Brasil rompeu relações diplomáticas com o bloco germânico, e, em 20 de maio, o navio Tijuca foi torpedeado perto da costa francesa por submarino alemão. Nos meses seguintes, o governo brasileiro confiscou 42 navios alemães que estavam em portos brasileiros, como uma indenização de guerra, essa quantia considerável de navios passou a corresponder a um quarto da frota brasileira.4

No dia 27 de julho de 1917, o vapor brasileiro Lapa foi atingido por três tiros do canhão de um submarino alemão.

Em 18 de outubro de 1917, um outro navio mercante, Macau, foi torpedeado por submarino alemão U-93.

No dia 23 de outubro de 1917 o cargueiro nacional Macau, um dos navios arrestados, foi torpedeado por um submarino alemão U-93, perto da costa da Espanha, e seu comandante feito prisioneiro.

Com a pressão popular contra a Alemanha, no dia 26 de outubro de 1917, o país declarou guerra à aliança germânica.

Em 4 de novembro de 1917, os navios Guaíba e Acari foram torpedeados por mesmo submarino alemão U-151.

Apoio aos aliados

A abertura dos portos brasileiros a unidades aliadas e a responsabilidade pelo patrulhamento do Atlântico Sul pela esquadra brasileira foram as primeiras ações em apoio ao esforço de guerra aliado.

A Divisão Naval em Operações de Guerra, comandada pelo contra-almirante Pedro Max Fernando Frontin, incorporou-se à esquadra britânica em Gibraltar e realizou o primeiro esforço naval brasileiro em águas internacionais.

Em cumprimento aos compromissos assumidos com a Conferência Interaliada, reunida em Paris de 20 de novembro a 3 de dezembro de 1917, o Governo brasileiro enviou uma missão médica composta de cirurgiões civis e militares, para atuar em hospitais de campanha do teatro de operações europeu, um contingente de sargentos e oficiais para servirem junto ao exército francês; aviadores do Exército e da Marinha para se juntarem à Força Aérea Real, e o emprego de parte da Esquadra, fundamentalmente na guerra anti-submarina.

O Plano Calógeras

Em 1918 ficou pronto um estudo confidencial encomendado pelo candidato presidencial eleito naquele ano, Rodrigues Alves. Este estudo, coordenado pelo parlamentar especialista em política externa e assuntos militares João Pandiá Calógeras, no tocante à entrada do Brasil no conflito, recomendava o envio de uma força expedicionário de considerável tamanho para lutar na guerra, utilizando-se de todos os meios (incluindo os navios das potências inimigas já apreendidos em portos e águas brasileiras) para fazer desembarcar a tropa em solo francês onde esta seria treinada e equipada pelos franceses, tudo financiado com empréstimos bancários americanos, que por sua vez seriam quitados pelas compensações impostas às potências derrotadas após a guerra.5

Este Plano (que só foi tornado público após a morte de seu elaborador e) que continha propostas em relação à várias àreas governamentais, no que se referia à participação do país no conflito independia da falta da infraestrutura industrial-militar que caracterizava o Brasil à época, porém devido aos rumos tomados pelos acontecimentos internos e externos àquele ano, somados as circunstâncias específicas da política brasileira de então incluindo a oposição de parte da população à guerra, assim como a falta de uma política externa clara, impediram que o mesmo fosse levado adiante, evitando assim que o país tivesse maior participação no conflito.6

Participação do Exército

Fácil de ser produzido, manobrado e reposto, o Renault FT-17 foi o mais bem sucedido tanque utilizado pelas unidades de cavalaria aliadas durante a I Guerra. Entre as quais, aquelas nas quais serviram os militares brasileiros na frente ocidental.
Com o término do conflito ao final de 1918 e o conseqüente arquivamento do Plano Calógeras, no tocante ao envolvimento militar do País na guerra, a participação brasileira nas operações terrestres se resumiu ao envio de um corpo de sargentos e oficiais do Exército Brasileiro numa missão preparatória que havia sido enviada em meados daquele ano sob o comando do General Napoleão Felipe Aché para, operando junto ao exército francês, se inteirar das modernas técnicas de organização e combate empregadas no front ocidental.7
Um terço dos oficiais enviados foi promovido por atos de bravura em ação,8 dentre eles estavam os então, tenente José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, que ao longo da carreira se firmaria como importante ideólogo e reformador do exército brasileiro9 e major Tertuliano Potyguara, este último figura controversa e de destaque na campanha do Contestado, foi ferido na última Batalha do Canal de St. Quentin durante a Ofensiva Meuse-Argonne.10

Missão médica militar

Em 18 de agosto de 1918, a Missão Médica, chefiada pelo Dr. Nabuco Gouveia e também subordinada ao General Napoleão Aché, foi a última a partir, com 86 médicos. Em 24 de setembro de 1918, a Missão Médica brasileira chegou à terra francesa pelo porto de Marselha, depois de uma viagem acidentada. Uma outra missão já havia sido enviada ao teatro de guerra europeu com a finalidade de instalar um hospital. Integravam a missão 92 médicos, sendo dez militares e os demais mobilizados e convocados nos respectivos postos privativos de oficiais. Além dos médicos, integravam a missão acadêmicos, farmacêuticos, pessoal de apoio administrativo e um pelotão de segurança. A contribuição da missão médica brasileira materializou-se no apoio dado à população francesa contra a epidemia de gripe espanhola que assolava também aquele país, o que garantiu a continuidade do apoio logístico às tropas da frente de combate. A Missão Médica foi extinta em fevereiro de 1919.

Participação da Marinha

Coube a marinha a maior, embora modesta, contribuição militar brasileira no conflito. Para cumprir as atribuições da Marinha, o Ministro, Almirante Alexandrino Faria de Alencar, determinou a organização de uma força-tarefa que permitisse a efetiva participação da Marinha brasileira na Primeira Guerra Mundial. Logo, pelo Aviso Ministerial nº 501, de 30 de janeiro de 1918, foi constituída a Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG), composta de unidades retiradas das divisões que formavam a Esquadra brasileira. Passaram a compor a DNOG os cruzadores Rio Grande do Sul e Bahia, os contratorpedeiros Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba e Santa Catarina, o Tender Belmonte e o Rebocador Laurindo Pitta.

A Esquadra naval brasileira foi inicialmente incumbida de patrulhar a área compreendida pelo triângulo marítimo na costa noroeste africana, cujos vértices eram a cidade de Dacar, o arquipélago de São Vicente (Cabo Verde), e Gibraltar na entrada do Mediterrâneo. Ficaria sob as ordens do Almirantado britânico, representado pelo Almirante Hischcot Grant. Para comandá-la, foi designado um dos oficiais de maior prestígio na época, o Contra-Almirante Pedro Max Fernando Frontin, nomeado em 30 de janeiro de 1918.

A guerra no mar, para o Brasil, teve início no dia 1 de agosto, quando da partida da DNOG do porto do Rio de Janeiro. No dia 3 de agosto de 1918, o navio brasileiro Maceió foi torpedeado pelo submarino alemão U-43. Em 9 de agosto de 1918, atingiu Freetown, permanecendo 14 dias neste ponto, quando então os homens começaram a adoecer com o vírus da gripe espanhola.

Na noite do dia 25 de agosto, na travessia de Freetown para Dacar, a divisão sofreu um ataque torpédico feito por submarino alemão, mas sem causar vítimas ou danos nos navios. Felizmente, os torpedos passaram sem causar danos entre os navios brasileiros, que lançaram um contra-ataque usando cargas de profundidade, tendo a marinha real britânica creditado aos brasileiros o afundamento de um submarino inimigo.11

Posteriormente, já fundeada no porto de Dacar, a tripulação da divisão foi vítima da epidemia conhecida na época como a gripe espanhola, que tirou a vida de mais de uma centena de marinheiros e imobilizou a Força por dois meses naquele porto.

Entre o comando naval aliado houve intenso debate sobre como as forças da frota brasileira deveriam ser utilizadas; "Os italianos queriam-los no Mediterrâneo, já os americanos preferiam que trabalhassem em estreita colaboração com suas próprias forças no Atlântico Norte, enquanto os franceses queriam mantê-los na proteção do tráfego marítimo comercial ao longo da costa ocidental norte-africana entre Dakar e Gibraltar."12 Esta hesitação do comando aliado, combinada com o atraso ao longo de 1918 para se lançar a esquadra ao mar devido à problemas operacionais, além da epidemia que atingiu a tripulação no final de agosto, fez com que a frota fosse designada ao mediterrâneo somente no início de novembro de 1918, apenas para ver dias depois, o armistício com a Alemanha ser assinado, pondo fim na guerra.

Fim da guerra

Em 11 de novembro de 1918, foi assinado o armistício, tão ansiosamente esperado pelos europeus cujos países foram devastados pelo conflito. O Brasil deu sua módica parcela de contribuição e graças à isso conseguiu assento na Conferência de Paz de Paris, que deu origem ao Tratado de Versalhes, obtendo assim sua parte no botim de guerra conseguindo da Alemanha o pagamento com juros do café perdido com os navios naufragados, mais 70 navios dos Impérios Centrais (a maioria alemã) que haviam sido apreendidos em águas brasileiras quando da declaração de guerra e que foram incorporados à frota brasileira a preços simbólicos.

Acordo de paz

Terminada a guerra o Brasil participou da Conferência de Versalhes, com uma comitiva chefiada pelo futuro presidente Epitácio Pessoa. Esta comitiva conseguiu incluir no acordo de paz a indenização de sacas de café apreendidas em portos alemães quando da declaração da Guerra e a venda dos navios alemães apresados. O Brasil também foi um dos fundadores da Liga das Nações. Após voltar ao Brasil, a Divisão Naval em Operações de Guerra foi dissolvida em 25 de junho de 1919, cumprindo, integralmente, a missão que lhe fora confiada.

Do ponto de vista econômico, se em um primeiro momento as exportações caíram bruscamente, gerando crise numa economia dependente do café, com o prolongamento do conflito o Brasil passou a ter boas oportunidades comerciais. O aumento da demanda internacional por gêneros alimentícios e matérias-primas forçou o país a mudar sua estrutura econômica basicamente agrícola. É nessa época que o Brasil conhece um surto industrial inédito em sua história, valendo-se também da mão-de-obra imigrante, composta sobretudo por europeus que fugiam da fome e, depois, da guerra. O número de fábricas quadruplicou nos anos da guerra, dobrando o número de operários. A indústria brasileira conquistou o mercado interno e fez diminuir o número de itens importados, modificando parcialmente a face socioeconômica do país.

BRASILEIRÃO - 12ª.RODADA

.
FINALMENTE O FLAMENGO DESLANCHOU E
FUGIU DA LANTARNONA, ENQUANTO O
CRUZEIRO VENCE DE GOLEADA E FOJE



26/07/2014 18:30 (Saba) Santos 3 x 0 Chapecoense Vila Belmiro
26/07/2014 18:30 (Saba) Criciúma 1 x 3 Vitória-BA Heriberto Hulse
26/07/2014 18:30 (Saba) Cruzeiro 5 x 0 Figueirense Mineirão
26/07/2014 21:00 (Saba) Bahia 0 x 1 Internacional-RS Arena Fonte Nova
27/07/2014 16:00 (Dom) Atlético-PR 0 x 3 Fluminense Arena da Baixada
27/07/2014 16:00 (Dom) Corinthians 2 x 0 Palmeiras Arena Corinthians
27/07/2014 16:00 (Dom) Sport 2 x 1 Atlético-MG Ilha do Retiro
27/07/2014 16:00 (Dom) Goiás 2 x 1 São Paulo Serra Dourada
27/07/2014 18:30 (Dom) Flamengo 1 x 0 Botafogo-RJ Maracanã
27/07/2014 18:30 (Dom) Grêmio 2 x 3 Coritiba Arena do Grêmio


FLAMENGO-BOTAFOGO 1-0



sexta-feira, julho 25, 2014

TERRAS BRASILEIRIAS - MUNICIPIO DE PASSATEMPO

.
PASSATEMPO ÉUM UM MUNICIPIO
DE MINAS GERAIS, ONDE DOMINGO
VAI ACTUAR O VIOLEIRO CHICO
LOBO


Passa Tempo é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2004 era de 8.058 habitantes. Sendo 5439 na zona urbana e 2619 na zona rural, os eleitores somam 6182. A cidade está a 980 metros de altitude na região dos Campo das Vertentes.O acesso ao município se dá pela Rodovia MG 270. Clima:Tropical de Altitude. Passa Tempo é distante cerca de 150 km de BH. É vizinha a Carmópolis de Minas.


O município foi fundado em 30 de Agosto de 1911 após se emancipar de Oliveira. A história do município é intimamente ligada aos cavalos Mangalarga Marchador e à Fazenda Campo Grande. Seu proprietário Cel. Gabriel Andrade, benfeitor da cidade, juntamente com seus filhos são responsáveis pelo surgimento da linhagem "Passa Tempo".

Passa Tempo se destaca ainda pelas pesquisas ufológicas realizadas por Antônio Faleiro (vulgo Niginho), um dos pioneiros da ufologia no Brasil, que construiu o primeiro Observatório Ufológico da América Latina,nesse município, escreveu o livro Passa Tempo Através do Tempo (livro histórico).

As famílias "Leite" e "Andrade" recebem destaque no município,pois estas estão diretamente ligadas ao processo de emancipação deste município, e juntamente com este, estas famílias sempre deram apoio total, moral e financeiro para esta cidade, através de benfeitorias, doações e força política. A família Andrade através da Fazenda Campo Grande projetou a cidade no cenário nacional com a famosa marca "F"( cavalos Mangalarga Machador).

Excelente lugar para descansar o corpo e a mente e fugir da correria das metrópoles. São atrativos desta cidade a Casa de Cultura, a Igreja Matriz, as belas cachoeiras, trilhas ecológicas, a festa da cidade (30 de agosto) onde acontece um tradicional carnaval temporão, a Semana Santa, a festa da Padroeira, o Carnaval. Passa Tempo também se destaca como a primeira cidade da região a produzir um LONGA-METRAGEM de nome "UM ANJO CHAMADO MARIA" do cineasta, MAURÍCIO RANGEL, que Em pareceria com a A.C.BANDA FACE DE DEUS, também produz a maior peça teatral ao ar livre da região "A PAIXÃO DE CRISTO"

Atualmente, encontram-se várias empresas em atividade na Região como a FERLIG e a COPOBRAS, mas grande parte da população tem sua renda focada nas atividades agropecuárias e artesanato. Passa Tempo é conhecida como uma das referências na confecção de tapetes arraiolos em Minas Gerais. Esta atividade é coordenada por cooperativas e pequenas empresas responsáveis pela distribuição dos produtos em todo Brasil e inclusive no exterior

quarta-feira, julho 23, 2014

ESTUDANTES BRASILEIROS NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

.
O QUE PENSAM OS BRASILEIROS DA
UNIVERSIDADE DE COIMBRA



COIMBRA é uma cidade portuguesa, capital do Distrito de Coimbra, da Região Centro de Portugal, da sub-região do Baixo Mondego e da Beira Litoral com cerca de 143 396 habitantes.1 Sendo o maior núcleo urbano, é centro de referência na região das Beiras [carece de fontes], com mais de dois milhões de habitantes. É considerada a terceira cidade de Portugal.

Cidade historicamente universitária, por causa da Universidade de Coimbra, fundada em 1290, conta actualmente[quando?] com cerca de 30 mil estudantes.

Banhada pelo rio Mondego, Coimbra é sede de um município com 319,4 km² de área e 143 396 habitantes (2011), subdividido em 18 freguesias.2

O município é limitado a norte pelo município de Mealhada, a leste por Penacova, Vila Nova de Poiares e Miranda do Corvo, a sul por Condeixa-a-Nova, a oeste por Montemor-o-Velho e a noroeste por Cantanhede.

É considerada uma das mais importantes cidades portuguesas, devido a infraestruturas, organizações e empresas para além da sua importância histórica e privilegiada posição geográfica no centro da espinha dorsal do país. Coimbra é também referência nas áreas do Ensino e da Saúde.

O feriado municipal ocorre a 4 de Julho, em memória da Rainha Santa Isabel, padroeira da cidade.

Foi Capital Nacional da Cultura em 2003 e é uma das cidades mais antigas do país, tendo sido capital do Reino, e apresenta como principal ex-libris a sua Universidade, a mais antiga de Portugal e dos países de língua portuguesa, e uma das mais antigas da Europa.

No dia 22 de Junho de 2013, a Universidade de Coimbra, Alta e Sofia, foram declaradas Património Mundial pela UNESCO.

História

Cidade de ruas estreitas, pátios, escadinhas e arcos medievais, Coimbra foi berço de nascimento de seis reis de Portugal, da Primeira Dinastia, assim como da primeira Universidade do País e uma das mais antigas da Europa.

Os Romanos chamaram à cidade, que se erguia pela colina sobre o rio Mondego, Aeminium. Mais tarde, com o aumento da sua importância passou a ser sede de Diocese, substituindo a cidade romana de Conímbriga, donde derivou o seu novo nome. Em 711 os mouros chegaram à Península Ibérica e a cidade passa a chamar-se Kulūmriyya, tornando-se num importante entreposto comercial entre o norte cristão e o sul árabe, com uma forte comunidade moçárabe. Em 871 torna-se Condado de Coimbra mas apenas em 1064 a cidade é definitivamente reconquistada por Fernando Magno de Leão.

Coimbra renasce e torna-se a cidade mais importante abaixo do rio Douro, capital de um vasto condado governado pelo moçárabe Sesnando. Com o Condado Portucalense, o conde D. Henrique e a rainha D. Tereza fazem dela a sua residência, e viria a ser na segurança das suas muralhas que iria nascer o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques[carece de fontes], que faz dela a capital do condado, substituindo Guimarães em 1129.

No século XII, Coimbra apresentava já uma estrutura urbana, dividida entre a cidade alta, designada por Alta ou Almedina, onde viviam os aristocratas, os clérigos e, mais tarde, os estudantes[carece de fontes], e a Baixa, do comércio, do artesanato e dos bairros ribeirinhos populares[carece de fontes].

Desde meados do século XVI que a história da cidade passa a girar em torno à história da Universidade de Coimbra, sendo apenas já no século XIX que a cidade se começa a expandir para além do seu casco muralhado, que chega mesmo a desaparecer com a reformas levadas a cabo pelo Marquês de Pombal.


Coimbra em 1669.
A primeira metade do século XIX traz tempos difíceis para Coimbra, com a ocupação da cidade pelas tropas de Junot e Massena, durante a invasão francesa e, posteriormente, a extinção das ordens religiosas. No entanto, na segunda metade de oitocentos, a cidade viria a recuperar o esplendor perdido – em 1856 surge o primeiro telégrafo eléctrico na cidade e a iluminação a gás, em 1864 é inaugurado o caminho-de-ferro e 11 anos depois nasce a ponte férrea sobre as águas do rio Mondego.

Coimbra em 1855.
Com a Universidade como referência inultrapassável, desta surgem movimentos estudantis, de cariz quer político, quer cultural, quer social. Muitos desses movimentos e entidades não resistiram ao passar dos anos. Outros ainda hoje resistem com vigor ao passar dos anos. Da Universidade surgiram e resistem ainda hoje em plena actividade primeiro o Orfeon Académico de Coimbra, em 1880, o mais antigo coro do país, a própria Associação Académica de Coimbra, em 1887, a Tuna Académica da Universidade de Coimbra, em 1888. Com presença em três séculos e um peso social e cultural imenso, o Orfeon Académico de Coimbra representou o país um pouco por todo o mundo, em todos os continentes, levando a música coral portuguesa e o Fado de Coimbra a todo o mundo. Na área do Teatro Universitário pode distinguir-se o TEUC - Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra. Este organismo autónomo da AAC da Universidade de Coimbra é o grupo de Teatro Universitário mais antigo da Europa em actividade contínua. Foi fundado em 1938 pelo Prof. Doutor Paulo Quintela, foi a segunda escola de Teatro em Portugal de onde saíram inúmeros actores do panorama cultural português, e sempre se caracterizou pelo seu papel de resistência cultural. O TEUC apresentou os seus espectáculos pela Europa, África e Brasil, tendo recebido numerosas condecorações e prémios ao longo da sua história. Ainda agora, na actualidade, o TEUC continua a ganhar prémios em diversos festivais de teatro universitário quer em Portugal quer além-fronteiras. Com o passar dos anos, inúmeros outros organismos foram surgindo.

segunda-feira, julho 21, 2014

BRASILEIRÃO - 11ª.RODADA

.
O CRUZEIRO AMPLIA A SUA
VANTAGEM E O FLAMENGO
AFUNDA NA CLASSIFICAÇÃO


19/07/2014 18:30 (Saba) Figueirense 0 x 1 Grêmio
19/07/2014 18:30 (Saba) Atlético-MG 1 x 1 Bahia
19/07/2014 18:30 (Saba) São Paulo 0 x 1 Chapecoense Morumbi
19/07/2014 21:00 (Saba) Botafogo-RJ 1 x 0 Coritiba Raulino de Oliveira
20/07/2014 16:00 (Dom) Palmeiras 0 x 2 Cruzeiro Pacaembu
20/07/2014 16:00 (Dom) Vitória-BA 0 x 0 Corinthians Barradão
20/07/2014 16:00 (Dom) Internacional-RS 4 x 0 Flamengo Beira Rio
20/07/2014 18:30 (Dom) Atlético-PR 2 x 0 Criciúma Arena da Baixada
20/07/2014 18:30 (Dom) Fluminense 1 x 0 Santos Raulino de Oliveira
20/07/2014 18:30 (Dom) Goiás 0 x 0 Sport Serra Dourada



PALMEIRAS, 0 CRUZEIRO, 2





CLASSIFICAÇÃO GERAL

1° Cruzeiro 25 11 8 1 2 23 11 12
2° Corinthians 20 11 5 5 1 13 6 7
3° Fluminense 19 11 6 1 4 17 11 6
4° Atlético-PR 19 11 5 4 2 19 13 6
5° Internacional-RS 19 11 5 4 2 17 11 6
6° São Paulo 19 11 5 4 2 18 13 5
7° Grêmio 19 11 5 4 2 8 5 3
8° Sport 18 11 5 3 3 9 10 -1
9° Santos 17 11 4 5 2 12 6 6
10° Goiás 17 11 4 5 2 7 7 0
11° Atlético-MG 15 10 4 3 3 12 10 2
12° Palmeiras 13 11 4 1 6 8 14 -6
13° Botafogo-RJ 12 11 3 3 5 14 13 1
14° Criciúma 11 11 4 2 5 7 15 -8
15° Chapecoense 11 10 3 2 5 8 10 -2
16° Bahia 9 11 2 3 6 8 13 -5
17° Vitória-BA 8 11 1 5 5 9 14 -5
18° Figueirense 7 11 2 1 8 5 15 -10
19° Coritiba 7 11 1 4 6 8 13 -5
20° Flamengo 7 11 1 4 6 7 19 -12